> Edições Anteriores > Fracking, não! > MATÉRIA DE CAPA

Quinta, 23 de março de 2017

Os testes sísmicos

Primeira etapa para a extração de gás de folhelho, os “terremotos induzidos”, segundo a Coesus, podem descentralizar placas tectônicas. Confira, a seguir, outros impactos que eles causam ao meio ambiente:

redacao@revistaecologico.com.br



font_add font_delete printer
PASSAGEM dos caminhões vibradores para testes de aquisição sísmica 
contratados pela ANP no Paraná provocou até rachaduras em algumas casas - Imagem: Coesus/350 Brasil

PASSAGEM dos caminhões vibradores para testes de aquisição sísmica contratados pela ANP no Paraná provocou até rachaduras em algumas casas - Imagem: Coesus/350 Brasil

1- As “ondas” emitidas pelos caminhões vibradores são na verdade terremotos induzidos, que perpassam o subsolo e podem impactar o meio ambiente e danificar severamente estruturas de alvenaria como residências, edifícios, barracões e igrejas. Os terremotos induzidos também provocam fissuras e danos materiais que podem comprometer a infraestrutura de estradas, pontes e até barragens.

2- Qualquer atividade sísmica impacta a fauna silvestre, os animais domésticos e de produção (bovinos, suínos, aves e outras espécies). Os animais pressentem o perigo diante da iminência dos terremotos ou outros eventos radicais da natureza, buscando refúgio para a preservação da vida. No caso de terremotos induzidos gerados pelos testes sísmicos, os animais ficam desorientados. E sofrem um alto nível de estresse que provoca fugas mortais, abortamento e nascimentos prematuros, além de ataques de ansiedade e medo.

3- Assim como os animais, as pessoas também estão sujeitas ao estresse provocado pela atividade sísmica. A ansiedade e o medo de que suas casas possam ser impactadas com terremotos coloca a população em alerta permanente e causa transtornos psicológicos diante do perigo.

4- Os testes sísmicos feitos pela empresa contratada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) são fatais para os peixes dos rios, lagos e tanques escavados. A morte de alevinos e a perda de ovas ocorrem após qualquer atividade sísmica, mesmo de baixa intensidade, impactando a biodiversidade e a economia local.

5- Atividade sísmica artificial pode acelerar a descentralização de camadas geológicas que até hoje não apresentaram movimentação. Neste caso, realizar testes sísmicos representa um alto fator de risco para a ocorrência de terremotos que podem gerar impactos catastróficos.

6- As informações da composição geológica obtidas pelos testes sísmicos irão fundamentar os leilões da ANP, que pretende vender o nosso subsolo para a exploração do gás de folhelho pelo método não convencional chamado fraturamento hidráulico, ou fracking. Isso sem consultar a população das cidades, que não é informada da natureza e objetivos reais dos testes, muito menos dos riscos e impactos.

7- Por fim, tão grave quanto, os testes sísmicos são a primeira etapa do cronograma para extração do gás de folhelho do subsolo. Após o mapeamento da presença de hidrocarbonetos como petróleo, carvão e gás convencional e não convencional, será necessário perfurar poços para pesquisar (e constatar) o real potencial das reservas através do fraturamento hidráulico. Tecnologia essa, altamente poluente, grande consumidora de água e causadora de impactos ambientais, econômicos e sociais.

Fonte: Coesus

 


LEIA A REPORTAGEM COMPLETA CLICANDO NOS LINKS ABAIXO:

Fracking, não!

Os impactos ambientais

A resposta da ANP

“O fracking é uma farsa”

Os testes sísmicos

O papa também é contra

 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição