Sexta, 10 de outubro de 2014

Com os olhos de Leonardo

A sua Ecológico de outubro vem inspirada no exemplo de ativismo ambiental do ator norte-americano Leonardo DiCaprio, eleito pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o novo mensageiro da paz

Hiram Firmino - hiram@souecologico.com



font_add font_delete printer
A sua Ecológico de outubro vem inspirada no exemplo de ativismo ambiental do ator norte-americano Leonardo DiCaprio, eleito pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o novo mensageiro da paz - Crédito: Kevork Djansezian-Reuters

A sua Ecológico de outubro vem inspirada no exemplo de ativismo ambiental do ator norte-americano Leonardo DiCaprio, eleito pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o novo mensageiro da paz - Crédito: Kevork Djansezian-Reuters

A sua Ecológico de outubro vem inspirada no exemplo de ativismo ambiental do ator norte-americano Leonardo DiCaprio, eleito pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o novo mensageiro da paz (e da natureza) contra o aquecimento global. Cidadão consciente do mundo em que vivemos, ele roubou a cena nada fictícia da última reunião da Cúpula do Clima, mês passado, em Nova York (EUA). Seus olhos verdes, da mesma cor da esperança que ainda resta na humanidade, têm companhias estratégicas.

Uma delas é o jovem economista Mário Campos, 32 anos, nosso entrevistado em “Páginas Verdes” e atual presidente de duas entidades igualmente engajadas na busca dos combustíveis limpos e renováveis para o Brasil e o mundo: a Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig) e os Sindicatos da Indústria do Açúcar e do Álcool de Minas Gerais (Sindaçúcar MG).

Outra é a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que explica as razões de o Brasil não ter assinado a “Declaração de Nova York sobre Florestas”, que determina compromissos globais para atingir o desmatamento zero.

Se não há cura ambiental nem política ainda para manter de pé a última maior floresta tropical úmida do planeta, pelo menos já existe cura tecnológica para o lixo produzido pelos nossos hospitais. É o que promete, em terra brasilis, a Termolix, nova unidade de tratamento de resíduos desenvolvida pela Atteris, do Grupo EcoBras.

Na área de mineração, o destaque é a Anglo American que, sete anos depois de um embate sui generis em Conceição do Mato Dentro, no coração ferrífero de Minas, conseguiu sua licença ambiental para operar o Projeto Minas-Rio, ex-MMX de Eike Batista, no delicado ecossistema da Serra do Cipó, nas franjas do Espinhaço.

E, na terceira reportagem da série “Nos Porões do Retrocesso”, sobre o Museu da Loucura, em Barbacena, lembramos a luta pelo fim dos manicômios encabeçada pelo psiquiatra italiano Franco Basaglia.

Também temos mais presenças agradáveis e esperançosas nesta edição: o pensamento iluminado do escritor e sociólogo polonês Zygmunt Bauman, autor do livro “A Vida Líquida”. As veredas e os buritis decantados na obra de Guimarães Rosa. E, como brinde visual, um belíssimo ensaio fotográfico sobre a libertária Holanda, o país das bicicletas, a partir de Amsterdã, onde 65% da população utiliza transporte alternativo e ecológico, sem impactar o meio ambiente e o clima do planeta.

Boa leitura!

Até a Lua Cheia de novembro, logo após as eleições! 

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentario cadastrado

Escreva um novo comentário
Outras matérias desta edição