> Notícias

Parque Municipal de BH completa 116 anos


font_add font_delete printer
Parque abriga 50 espécies de aves - Foto: Davi L. Santos/Flickr

Parque abriga 50 espécies de aves - Foto: Davi L. Santos/Flickr

26/09/2013

Patrimônio ambiental mais antigo de Belo Horizonte, o Parque Municipal Américo Renné Giannetti (avenida Afonso Pena, 1.377) completa nesta quinta-feira, dia 26, 116 anos. E para celebrar a data, o coral OAP UFMG se apresentará às 10h, próximo à administração do parque. No mesmo local acontecerá também, das 9h às 15h, exposições de plantas medicinais e do acervo biológico da área verde, além de uma mostra de fotografias da fauna e flora de diferentes parques gerenciados pela Fundação de Parques Municipais.

Realizada toda última quinta feira do mês, a exposição de plantas tem o intuito de resgatar o uso de plantas de efeito fitoterápico. “Nosso objetivo é alertar sobre o uso correto delas, resgatando a cultura popular”, diz a bióloga do parque, Andrea Aparecida Paiva de Oliveira. Segundo ela, o público poderá contemplar mais de 30 amostras de plantas fitoterápicas retiradas do viveiro do parque e ter acesso a banners e a um material informativo sobre o tema, no qual a planta escolhida do mês de setembro, a lavanda, também será apresentada.

O acervo biológico do parque será organizado especialmente para a data comemorativa. Por meio dele é possível conhecer a Sementeca, uma coleção de sementes de exemplares exóticos e nativos do parque. Amostras de flores e folhas desidratadas para fins de pesquisa também podem ser observadas e a Caixa de Borboletas apresenta exemplares de borboletas e de outros insetos encontrados sem vida na área verde, além de um terrário de criação de lagartas.

Contato com a natureza

Lugar de refúgio e de rica biodiversidade, o Parque Municipal fica no coração da capital mineira e atrai pessoas em busca de lazer e do contato com a natureza. Para o diretor dos Parques da Área Sul, Homero Brasil Filho, vários fatores contribuem para que a área verde seja a mais visitada da cidade. Primeiro, por ser o parque mais antigo de BH, depois por ter uma favorável posição geográfica, além de ter o reconhecimento de ser um espaço democrático que recebe frequentadores de diversos lugares - cerca de 600 mil pessoas por mês.

De acordo com Homero Brasil, além desses fatores, a tradição cultural da área verde também atrai o público. “O parque tem uma vida cultural rica e intensa e recebe eventos de vários tipos”. Homero citou como exemplo o fato de o parque ter sido um dos palcos da Primeira Virada Cultural realizada em Belo Horizonte há duas semanas.

O parque é local de encontro com o verde e o lazer - Foto: Lucas Incas/Flickr

Segundo a Chefe de Departamento Centro, Tatiani Cordeiro, o parque tem muito o que comemorar. “É uma bela área de preservação ambiental dentro da cidade”, disse. Tatiani lembra que o parque foi o primeiro projetado de BH e da América Latina e que foi criado para ser uma “ilha de romantismo no centro da cidade”. “As pessoas enxergam o parque como mais do que um local de passagem. É o espaço público mais democrático e eclético de Belo Horizonte”, conclui.

Números do parque

• Área de 182 mil metros quadrados

• Abriga aproximadamente 250 espécies de árvores e 330 plantas ornamentais de diversos lugares do Brasil e do mundo

• Possui um viveiro, onde são cultivadas cerca de 120 espécies de plantas medicinais.

• Tem 50 espécies de aves, entre bem-te-vis, tucanos, sabiás, garças, periquitos, pica-paus e beija-flores, 11 espécies de peixes como dourados, cascudos, tilápias e carpas, mamíferos como morcegos, gambá de orelha branca e mico estrela, insetos como abelhas, formigas e besouros, além de 27 espécies de borboletas.


LEIA TAMBÉM:    

O parque que já foi uma mineração

O que é que a Pampulha tem?


Linha do tempo

1894 - A comissão construtora inicia a transformação da chácara de Guilherme Ricardo Vaz de Mello em área de lazer para a população, dando origem ao Parque Municipal.

1897 – O Parque Municipal é inaugurado dia 26 de setembro.

Início do século 20 – ao lado da Praça da Liberdade se torna uma referência da cidade para a realização de eventos.

Em 1908, um grupo de adolescentes funda, próximo ao atual coreto, o Clube Atlético Mineiro

 Década de 1920 – Instalação do gradil de ferro, do Coreto, a Estação dos Bondes (atual Mercado das Flores), a quadra de tênis e a pista de patinação.

  Década de 1950 - Primeira grande reforma, com tratamento da água, recuperação dos jardins, asfaltamento das alamedas, implantação de uma fonte luminosa e uma concha acústica para apresentação de concertos ao ar livre. Nessa época, recebe o nome de Parque Municipal Américo Renné Giannetti, em homenagem ao prefeito, que falece em 1954.

  1975 - o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) realiza o tombamento de todo o conjunto paisagístico e arquitetônico.

 2006 - Obras para adequação dos espaços à acessibilidade universal, reforma da pista de caminhada e dos banheiros, e pintura do gradil externo e edificações existentes. Diversos canteiros são revitalizados, com plantio de mudas e implantação de um projeto de controle de pragas.

 

Serviço

Endereço: Av. Afonso Pena, 1.377,  Centro.

Funcionamento: das 6h às 18h, de terça-feira a domingo. Fecha às segundas para manutenção.

Acesso: o parque tem seis portarias em funcionamento: na avenida dos Andradas, na rua da Bahia, duas na avenida Afonso Pena (entrada principal e próxima da Belotur) e uma na avenida Carandaí.

Informações: 3277-4161.

Entrada gratuita.

 

 


Compartilhe