> Notícias

A Amazônia no centro de São Paulo


font_add font_delete printer
Cápsulas com estímulos táteis, auditivos e olfativos simulam visita a aldeia - Foto: Luciana Camargo/Greenpeace

Cápsulas com estímulos táteis, auditivos e olfativos simulam visita a aldeia - Foto: Luciana Camargo/Greenpeace

14/06/2017 

A “Experiência Munduruku”, promovida pelo Greenpeace no Centro Cultural Correios, em São Paulo, leva o participante para uma viagem sensorial pelas belíssimas águas do rio Tapajós, no Pará, e o convida a conhecer a aldeia dos Munduruku e seu modo de vida.

O objetivo é mostrar a intrínseca relação deste povo com suas matas e seus rios e proporcionar um melhor entendimento sobre a importância das florestas para toda a humanidade.

“O que estamos trazendo ao público brasileiro é uma experiência inovadora que une arte e ciência”, afirma Danicley de Aguiar, da Campanha de Amazônia do Greenpeace. “É uma oportunidade única para aqueles que nunca foram à Amazônia entenderem o que a floresta significa para os povos indígenas e as comunidades ribeirinhas, que dependem dela para sobreviver”.

Para que a imersão aconteça, o visitante é acomodado em uma cápsula, em que ele recebe estímulos por meio da visão, audição, tato e olfato. Para cada sentido há uma tecnologia desenvolvida especialmente para a experiência, como um filme de realidade virtual gravado na própria aldeia.

 

Participante começa a sua experiência multissensorial na cáspula da exposição (Luciana Camargo/Greenpeace)

 

A “Experiência Munduruku” pode ser visitada gratuitamente até o dia 25 de junho, de terça à domingo, das 11h às 17h. A instalação faz parte do projeto do filme de realidade virtual “Munduruku: a batalha para defender o coração da Amazônia”, uma iniciativa do Greenpeace, com o projeto The Feelies e o estúdio Alchemy VR.

 

Experiência Munduruku

Local: Centro Cultural Correios (Av. São João, s/nº, Vale do Anhangabaú, São Paulo-SP).
Data: de 2 a 25 de junho
Horário: terça a domingo, das 11h às 17h
Entrada franca
Veja mais informações

Fonte: Greenpeace Brasil


Compartilhe